quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Viva as diferenças

Seja no Brasil ou em qualquer outro ponto do mundo, as diferenças persistem. Não falo apenas de diferenças de raças ou religiões, mas de personalidades.
Você deve ter aquele amigo sensível e romântico, aquela fofa e delicada, aquele cortante, o irritado e o irritante, ainda há aquele que nunca sorri, ou o que fala sempre a verdade.
E você com certeza já deve ter tido problemas tentando não magoar o sensível, não ser grosso com a doce menina, apaziguar humores e em ouvir a verdade.
Ah! A cruel dor de quem escuta a verdade! Não, amigo, ela não é maior do que a dor de quem fala a verdade, de quem tem gênio forte [ou gênio ruim, como diria mamãe], a dor de quem ama, mas não consegue segurar a cachoeira de palavras que deságuam pela boca. Palavras que para essa pessoa são bobas e incapazes de lesar, mas que ferem e se o cruel infrator verborrágico tiver um pedaço de coração batendo, vai sofrer e vai sangrar.
Conviver com diferenças não é fácil, mas é recorrente apontar o dedo na cara de outrem e dizer: "você precisa mudar"! Não, amigo, ninguém precisa mudar, apenas adaptar-se. E que parte difícil essa, não? Adaptar-se ao jeito dos outros, controlar-se, engolir aquela piadinha irritante que fica na ponta da língua e isso tudo sem mudar.
Sabe o que descobri? Você acaba mudando sim. E isso não é ruim, você sempre tem algo a melhorar e esse é o primeiro passo, mas a essência ninguém perde, essa não muda.
Quem me onhece sabe que há muito de mim nesse texto e não é nas entre-linhas. Dói ouvir um amado dizer que foi magoado por você. Dói ser irritante quando o que você está fazendoé ser você mesmo.
Alegria irrita. A verdade irrita. Palvras irritam. Eu vos digo que pessoas sim irritam. Irritam pelo simples fato de existirem e terem formado suas próprias personalidades. Eu digo que pessoas sem personalidade não irritam. Elas passam percebidas como "tão bonzinho, nunca faz mal a ninguém". Pessoas sem personalidade causam pena e eu faço questão de repelir tal sentimento de mim.
Um vez um adorado professor de canto me disse que sou a pessoa mais segura que ele conhece e ainda disse que eu irrito porque sou segura demais. Ah! Então é esse o problema? Sinto muito. Continuarei irritando e lembrando aos inseguros e incapazes de lutar e por a cara a tapa em seus sonhos e projetos que segurança não é sinônimo de prepotência ou arrogância, mas de vitória.

Um abraço seguro e sempre sincero da mais irritante.

W.A.M.

4 comentários:

Glauver Souza disse...

Você não é irritante...
é minha gêmea!
hauhauahuahuahauha
vc está absolutamente certa, adorei o post!
=D
amoooooo demais!!

Camiℓa Oℓiveira disse...

.O melhor de quando as pessoas mudam, é quando elas fazem isso por vontade própria, sem serem coagidas.

.A verdade realmente é difícil de ser escutada, mas é mais fácil aceitá-la do que saber depois as metiras ditas por quem você gosta. E, realmente, dizê-las é também muito complicado. Sim, as palavras são escritas ou pronunciadas, mas o medo de magoar com o que foi revelado faz-nos sentir como monstros, pois não queremos ver o quanto podemos machucar os outros.

Camiℓa Oℓiveira disse...

Às vezes só sabemos as consequências de nossas palavras quando pronunciamos, mas descobrir o quanto podemos ofender os outros, pode ser tarde demais, infelizmente.

Wânyffer Monteiro disse...

Sábia Camila