segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Quem decide?

Estava eu aqui vendo uma das dezenas de matérias sobre o caso da "menina Eloá" e realmente.. é um homicídio passional que choca qualquer cidadão equilibrado. Lembrei, então, da "menina Isabella" e (além de me perguntar porque tanto pessoas com menos de 20 anos a imprensa teima em chamar de menina 10 vezes em uma mesma edição de jornal) um questionamento antigo voltou a mim: "Quem escolhe que caso é mais grave que o outro e o que é de interesse da sociedade?". A resposta, claro, é automática: a imprensa.
Eu não quero comparar os casos de Isabela e Eloá (sem o "menina" antes, por favor), mas lembrar que quando a primeira foi assassinada por pai e madrasta, uma garotinha (que juro não lembrar o nome até porque não foi muito veiculado) de Jardim, interior do Ceará, foi estuprada, torturada e assassinada. A menina de 3 anos se perdeu no parquinho aonde brincava e dois... >insira aqui o adjetivo mais cabível<, a estupraram, arrancaram os mamilos dela e a deixaram morta.
Um dos dois >...< é menor de idade (o que a imprensa chamaria de "menino >...<") e assumiu a culpa toda para livrar a pena maior do outro.
E alguém por aí ouviu falar muito disso? Por acaso a guria de Jardim merece menos atenção que Isabela e Eloá? É triste que a imprensa, muitas vezes, escolha seu alvo de espetacularização pela classe social. Ora, Isabela era uma menina de classe média alta. A outra não.
Não que a pequena que desabou 6 andares não tivesse um grande porquê para chocar o país, mas daí a ignorar um outro caso brutal...

Enfim... nada a dizer mesmo.

Ciao

W.A.M.

4 comentários:

Loah. disse...

e aí o jornal nacional mostra num sei quantos minutos de uma notícia de ratos que foram empalhados em Brasília... ok, ok... era uma espécie que estava com supeita de extinção, é importante, claro que é, mas merecia uma chamada e pronto. dava tempo mencionar a garota, num dava?

Danilo Castro disse...

O mais interessante é ver que todas elas se tornam estrelas de TV instantâneas, mesmo depois de morrerem.

"oabfpcui" isso é quase uma ofensa, não acha? Ou será TupiGuarani?
Foi o que apareceu aqui em baixo para que eu pudesse publicar esse comentário aí em cima.

Beijão, atriz!

Renata L. disse...

É o mundo em que vivemos, o que der mais pontos de audiencia ganha o podium da hipocrisia humana

Camiℓa Oℓiveira disse...

É ridículo. Em vez de distribuir o jornal para todas as matérias - pois nenhum caso é menos importante do que outro - dedicam apenas a um específico. Resulta em não querermos saber mais sobre a notícia ou não darmos o devido valor às informações.

Essa super exploração talvez seja para camuflar outros acontecimentos, pois falta de tragédias é que não é, infelizmente.