quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Memórias Póstumas de Wan Corleone

Sabe quando você ama alguém e conta tudo e descobre [o que já sabia pela própria intuição], que esse alguém não lhe conta nada e mesmo que isso seja infantil você sente?
Sabe quando você briga com o chefe a ponto de estourar?
Sabe quando você tem sérios problemas caseiros que você não pode resolver?
Sabe quando você passa dias com a amigdala inchada e tem que cantar e estar linda, leve e solta no palco?
Sabe quando você entra em surto e ninguém [só um alguém], senta e lhe dá um aperto de mãos?

Post desnecessário de uma afônica sem nexo que escreve no meio da noite, após um dia de dor, apenas para desabafar seus sentimentos mais pueris e raivosos de quem não merece as pessoas que lhe cercam e vice-versa.

Tanto quanto o post, os comentários são denecessários [ a não ser que você seja quem me magoa por pequeninas coisas, meu chefe, meu pai, a fada das amigdalas, a pessoa que sentou comigo ou um psiquiatra].


AH! Quanto ao post passado, gostaria de fazer uma ressalva. O texto passado [release] é meu, mas com correção e adicionamento de informações por Camila Oliveira e Icaro Sampaio, sem eles esse release não sairia [aliás... camila e icaro podem comentar se quiserem haosiahosiu].

2 comentários:

Camiℓa Oℓiveira disse...

Obrigada por me permitir comentar (hehe). Quero ser aquela a estender a mão quando precisar, se em um momento desse não fiz, não foi minha intenção. Acho importante e relevante quando surgem, sem nem esperarmos, um alguém para nos dar simplesmente um abraço, esse gesto é tão sincero e revigorante, por isso tento demonstrar o meu carinho por você e pelos amigos que conquistei em RENT, para todos os dias eu ter a consciência de que medi meu dia em amor.
Beijão grande e sucesso para gente.

Cecilia Cezar disse...

Wan, passa no meu blogger depois e ve o que postei sobre o rent!
Ok?
Bjaao