quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Deu zebra...

.
Eu tinha um post guardado para hoje, pois hoje é aniversário do único anjo na terra (palavras de quem a conheceu): minha mãe. Mas a homenagem será feita no meu fotolog ( http://www.fotolog.com/wan_riot ). Isso acontece todo ano e hoje tenho uma coisa mais importante para comunicar-lhe. Aqui vai um relato do que vi.



Em meio a políticos empaletozados entoando seus discursos ainda eleitoreiros, pais de família vítimas do fechamento das 3000 bancas do paratodos no Ceará, bradam gritos honestos de pedidos pelas suas famílias e pela própria dignidade.
"Queremos trabalhar!", eles gritam. E realmente querem e precisam.
Passeando pela assembléia legislativa cearense em meio ao Palácio 13 de Maio, no qual adentrava pela primeira vez e só me sentia confortável pela presença de um belo condicionador de ar, presenciei mulheres com filhos recém-nascidos nos braços, deficientes físicos, e uma outra infinidade de homens honestos tendo que mendigar pela boa vonatde de outro magote de homens que mesmo cercados pelos primeiros, aproveitavam sua voz ao microfone para falar das eleições, nas quais aqueles homens honestos que acabavam suas gargantas ao sol dos quais lhe falei, os elegeram, exercendo seus direitos de cidadãos que lhes foi tirado duas semanas depois.
Eu nasci em 10 de dezembro de 1988, caro amigo, e prestes a entrar nos meus vinte aninhos, assisto ao fechamento do Jogo do Bicho que fez parte da minha infância, quando meu pai (que inclusive tem um boné do paratodos que não acho mais) ia às banquinhas segurando minha mão e jogava em bichos e números incompreensíveis, até hoje, para mim. A única coisa que verdadeiramente compreendo é que o Jogo do Bicho faz parte da cultura do meu Ceará.
"Quadrilha"? "Tráfico"? "Organização criminosa"? é isso que tenho lido nos jornais. E sim, é verdade. Um quadrilha de deficientes nas esquinas de Fortaleza em plena luz diurna exercendo seu trabalho (aqui perto de casa havia duas banquinhas com um homem com elefantíase e outro amputado). Tráfico de salário para sustentar os filhos. Organização de um jogo mais tradicional que um totolec da vida.
São 32 anos, meu amigo, você que está lendo talvez, como eu, nem tivesse nascido ainda e nem tenha idéia da dimensão do problema. Se você tivesse ido à assembléia ontem pela manhã você saberia.
Mas ainda há tempo. Vá ao palácio 13 de Maio amanhã às 15h da tarde e faça valer sua voz de povo que se preocupa com a vida de mais alguém que não seja você, ou como vai ser aquela festa amanhã à noite, quando vai encontrar seus amigos, ou que roupa vai usar hoje. Tem 20000 famílias preocupadas com o que vão comer agora no almoço. Poderia ser seu pai, seu avô, ou um amigo que você aprendeu a amar.
Há 60 anos era escrita a declaração dos Direitos Humanos, mas ela é reescrita todo dia, inclusive pelo direito humano de trabalhar.

...

W.A.M.


2 comentários:

um ser mal-criado disse...

queria conseguir escrever assim..
é e o pior é que as pessoas q leem os jornais não se questionam das noticias que leem. somente leem: "o ceu nao é azul e sim vermelho." Ai os leitores olham pro ceu e o veem vermelho. arrgh odeio alienação!

Évi disse...

O jogo do bicho sempre teve mutreta atrás e todo mundo sempre soube. De repente, 32 anos depois da coisa se instalar definitivamente e organizadamente por aqui, resolvem acabar com tudo. São TRINTA E DOIS ANOS, caramba. Ninguém nem desconfia dessa ação repentina depois de tanto tempo?

Sou pró-Animal Game, como dizia um cara no centro. Porque sou pró-trabalhadores empregados. Mas sou mais pró ainda investigar que porra de ação repentina foi essa. Sempre tem alguém que "fez raiva" a alguém e aí começa a bandalheira.