quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Um longo dezembro




Dezembro tem um quê de desgosto, de desejos que ficaram pelo caminho e talvez possam ser supridos a partir do "próximo mês". É tempo de arrependimentos e arrebatamentos. De olhar para trás como se possível fosse resumir 365 dias em um único sentimento sobressalente.


O impasse está em conseguir e o erro está em fazê-lo. Em um ano muito pode mudar tanto quanto você pode continuar estagnado no mesmo lugar. É um misto de sentimentos. Alegrias que, apesar de dividirem o mesmo nome, foram causadas por diferentes fatos.rTRristezas uqe fizeram chorar, calar, engrandecer, ou morrer mais um pouquinho por dentro.


Em dezembro tudo pode ficar mais claro ou negro como o ébano. Você pode se arrepender das palavras mal colocadas e gestos incompreendidos. São trinta e um dias de auto-conhecimento.


Esse é um mês misterioso. Nunca se sabe que sentimentos irão emanar de seus pensamentos, às vezes é melhor até proibir-se de pensar, afinal em dezembro passado isso o fez ficar mal... Só que nenhum dezembro é como o outro.


O tempo é de renovação. É de enumerar os erros, coloca-los sobre a mesa e destrui-los para que eles não se repitam. O mesmo deveria ser feito com as alegrias. Os sorrisos divididos, as vezes nas quais alguém confiou em você, os chocolates que comeu, a felicidade que proporcionou... Agora é coloca-los na estante e deixá-los lá sempre lembrados com carinho, mas deixando viver novos bons momentos no ano vindouro.


O ano passado é passado e nenhum erro ou nenhuma alegria é idêntica a outra. Dezembro proporciona diversas emoções porque todas resolvem reaparecer no final para dizer um "adeus" ou um "até breve". A única que permanece é a esperança de que em janeiro comece uma nova era na qual a vida possa ser medida em amor.





W.A.M.

Um comentário:

Jair Gabardo. disse...

Gosto como escreve. Sempre bom passar aqui.
Feliz 2011.

Abraço,

Jair Gabardo.
www.paraquefiquem.blogspot.com