quarta-feira, 4 de março de 2009

Ela

ele sentiu vergonha e chorou. Sentiu-se sujo e impuro em frente à grandeza dAquela Mulher. Mulher humilde, de voz mansa e fronte doce, escondendo um cerne lapidado pela vida que não mereceu. ele, altivo e viril, desabou de seu 1m 84cm. Estatelou-se no chão e sentiu a grandeza do metro e 50cm da Mulher.
O olhar dEla fuzila, petrifica qualquer um ao seu redor. "Por que não consigo olhar nos olhos dEla?" A verdade com a qual ele teve de conviver é que doçura amedronta mais que arrogância.
Ela anda por aí de olhos baixos e passos desengonçados. Ninguém aproxima-se dEla, nem ele o fazia. Ela não tem amigos, pais, filhos ou homem, só tem o seu credo. Ela crê no coração das pessoas e põe a alma em tudo que faz, mas seus sonhos ninguém conhece. Os sonhos, Ela fecha-os no caderno rabiscado, o qual ninguém nunca ousou abrir e continua vagando de um lado para o outro, sozinha, pois ninguém é limpo o bastante para conseguir aproximar-se.
ele ousou olhar nos olhos dEla e foi derrotado pela pureza há muito perdida entre seus semelahntes. Angustiado pelo redemoinho de sentimentos consequentes da integridade emanada daquela Mulher, ele surtou, surrupiou o caderno dEla para descobrir o que havia de errado, mas na busca pelo errôneo, ele se perdeu ao encontrar o certo.
Entre rabiscos e garranchos, desmontou em uma só frase, a frase mais bem desenhada do caderno:
"Meu único sonho é ter amigos".
Ela ecreveu a verdade na qual todos acreditam, mas preferem a doce mentira dos amigos por convenção. Ela só queria amizade, o maior amor de todos.
ele fechou o caderno, mas naquela página deixou um presente: uma lágrima de humildade. O primeiro passo de uma boa amizade. O maior passo para ele tornar-se Ele.

W.A.M.

Um comentário:

Suyanne disse...

sim... "doçura amedronta mais que arrogância."
Arrasou Wan.